O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

O que muda (e o que fica igual) no novo MacBook Air com M2

Conheça as diferenças tintim por tintim — e descubra se o novo Air tem cacife para ser a sua próxima máquina
Quatro cores dos MacBooks Air com chip M2, inclinados e de lado

Os rumores já estavam dando como certo, e a keynote de abertura da WWDC22 confirmou: temos um novo MacBook Air entre nós, e ele tem uma carga enorme dentro do cronograma de lançamentos da Apple.

Publicidade

Além de um design completamente novo (o primeiro da linha Air em alguns anos), temos ainda o début da nova geração do Apple Silicon e mais uma série de novidades interessantes.

Portanto, chegou a hora de fazermos o nosso tradicional post comparativo para entendermos o que muda, especificamente, do novo MacBook Air com chip M2 para o seu antecessor, com chip M1 (que ainda continua à venda, vale notar).

Vamos dar uma olhada?

Design e dimensões

A maior mudança do novo MacBook Air está a olhos vistos: a nova geração incorpora um visual completamente renovado, claramente inspirado nos MacBooks Pro recentes — unidade visual importa, afinal de contas, gostemos ou não do direcionamento que a Apple tem dado aos seus portáteis.

Isso significa que o novo portátil da Apple é o primeiro MacBook Air que não tem um formato de cunha: o computador tem uma espessura constante de 1,13cm, enquanto seu antecessor partia de 1,61cm e ia afinando até atingir 0,41cm na parte mais próxima do usuário. Embora o novo formato possa parecer um pouco mais rechonchudo, a verdade é que o novo Air é menos volumoso que o anterior — e alguns gramas mais leve: 1,24kg contra 1,29kg.

Publicidade

Apesar do aumento no tamanho da tela (mais sobre isso a seguir), suas demais dimensões quase não mudaram: a largura ficou inalterada em 30,41cm, enquanto a profundidade aumentou quase imperceptivelmente — 21,5cm contra os 21,24cm anteriores.

Publicidade

Outro ponto de mudança está nos pés do novo Air, ligeiramente mais pronunciados e perceptíveis do que na geração anterior. O design permite um maior fluxo de ar embaixo da máquina, o que certamente há de ajudar no seu resfriamento — o que é especialmente importante, já que não temos ventoinhas nem quaisquer componentes de resfriamento ativo (algo que não mudou em relação à geração anterior).

Ah, também temos uma nova opção de cor: além dos já conhecidos prateado, cinza espacial e estelar (que é uma versão levemente mais clara do dourado anterior), temos também uma nova versão meia-noite, com um azul bem escuro elegantíssimo.

Tela

Era inevitável: a tela do novo MacBook Air cresceu ligeiramente (são 13,6 polegadas, contra as 13,3″ anteriores) e ganhou o famigerado notch que fez sua estreia nos MacBooks Pro do ano passado. O ganho, inegavelmente, não é dos maiores: a tela se expandiu apenas para cima, onde fica situado o entalhe — o que é evidenciado pela resolução de 2560×1664 pixels (eram 2560×1660 pixels, anteriormente). Ainda assim, a densidade de pixels foi mantida e as bordas ao redor do painel estão mais finas.

Ao menos, o componente parece ser melhor em relação ao do MacBook Air anterior. Temos uma tela Liquid Retina (ainda LCD, mas de um tipo mais avançado em relação ao utilizado anteriormente) com 500 nits de brilho (eram 400, anteriormente). O painel, assim como antes, é capaz de exibir ampla tonalidade de cores (P3) e tem suporte à tecnologia True Tone.

Processamento

Como você provavelmente já sabe, o novo Air é o primeiro a incorporar o chip M2, nova geração de processadores da Apple. As melhorias são mais discretas (até porque seria difícil igualar a revolução trazida pelo M1), mas ainda assim bem-vindas: o novo processador é até 1,4x mais rápido que o seu antecessor — ou até 15x mais rápido que um chip Intel equivalente — com a mesma eficiência energética.

A litografia de 5 nanômetros foi mantida, bem como os 8 núcleos — 4 de performance e 4 de economia de energia. Por outro lado, a GPU1 foi expandida e agora pode chegar a até 10 núcleos dependendo do modelo, dando uma performance gráfica até 35% melhor. E o novo chip traz suporte a uma largura de banda de até 100GB/s (50% a mais que o M1).

Além disso, o M2 suporta até 24GB de memória unificada (antes, o máximo ficava em 16GB) — mas você terá que pagar bastante para configurar seu MacBook Air desta forma, uma vez que todos os modelos ainda vêm com 8GB por padrão.

Teclado e trackpad

Sem grandes mudanças, aqui: o teclado continua sendo o Magic Keyboard com mecanismo tesoura tradicional — e, ao contrário do MacBook Pro, a Apple optou por manter o design em cor única, na qual a própria cor do chassi se mantém na placa entre as teclas. Além disso, para o alívio de todo mundo alguns, os rumores de um teclado branco não se concretizaram: as teclas continuam pretas, como sempre.

A maior mudança está na fileira das teclas de função, que agora tem altura semelhante à das demais teclas — o Touch ID, claro, segue firme e forte no canto superior direito do teclado. Com isso, entretanto, o trackpad perdeu alguns milímetros de área, mas nada que deva atrapalhar a experiência de uso no dia a dia.

Câmera e som

Claro que aquele notch não está ali a passeio: o novo Air tem uma muito bem-vinda melhoria na sua câmera embutida, que agora tem 1080p (eram 720p, anteriormente) e processamento avançado de imagem, que — segundo a Apple — garante uma performance muito superior em ambientes com pouca luz.

Temos ainda um conjunto de três microfones com filtragem espacial direcional (nada de novo) e um sistema de som bastante melhorado: agora, são quatro alto-falantes, com som estéreo amplo e compatível com Áudio Espacial ao reproduzir músicas e vídeos com Dolby Atmos.

Conexões

Em termos de conexões físicas, sem grandes novidades: o novo Air mantém as duas portas Thunderbolt/USB4, ambas no lado esquerdo da máquina. A grande novidade, na nova geração, fica por conta da entrada MagSafe para carregamento — mais sobre isso em breve. À direita, a saída de 3,5mm para fones de ouvido agora traz suporte a acessórios de alta impedância.

Em termos de conexão sem fio, nada de novo: ainda temos suporte ao Wi-Fi 6 e ao Bluetooth 5.0, sem novidades.

Bateria e carregamento

Em termos de duração da bateria, a Apple promete aqui números exatamente iguais aos do MacBook Air anterior — que já eram absolutamente impressionantes, vale notar. São até 15 horas de navegação no Wi-Fi, ou 18 horas de reprodução de vídeos no aplicativo Apple TV. A bateria em si do novo Air aumentou ligeiramente (52,6Wh contra 49,9Wh anteriormente), o que certamente compensa o poder de processamento maior do chip M2.

As maiores mudanças estão na forma como você pode carregar o seu MacBook Air. Como citado acima, temos nesta geração o retorno da porta MagSafe, que conta com um conector magnético o qual permite recarregar o computador de forma mais segura — afinal, a máquina não sairá voando caso alguém tropece no cabo. O cabo de carregamento fornecido com os novos MacBooks Air, aliás, já é do tipo USB-C para MagSafe (na mesma cor da máquina, inclusive), mas você ainda pode carregá-lo via USB-C como antes.

Outra grande novidade é a chegada do carregamento rápido. Caso você opte por um adaptador de energia de 67W (que é opcional), o computador pode chegar a 50% da carga em apenas 30 minutos via MagSafe.

35W Dual USB-C Port Compact Power Adapter

Vale notar que a Apple lançou com os novos Air uma nova opção de adaptador de tomada, com 35W e duas portas USB-C, para que você carregue o computador e um outro dispositivo simultaneamente. No caso do MacBook Air M2 mais barato, este acessório pode ser adquirido como opcional nas configurações da máquina; no modelo mais caro, ele já vem na caixa como padrão.

Preço

Infelizmente, nem tudo são flores: junto ao novo design, chip M2 e tela melhorada, o novo MacBook Air também teve um acréscimo no seu preço. Nos EUA, o novo modelo parte dos US$1.200. São US$200 a mais que o modelo anterior — que, vale notar, continua à venda (e pelo mesmo preço de antes).

No Brasil, os valores também aumentaram, mas numa taxa mais branda (porque todos os preços de Macs foram mais uma vez reajustados para baixo). O novo Air parte de R$13.300, contra R$12.320 do modelo anterior.


Com tudo isso posto, agora a bola está com vocês: o que acharam da atualização? Deixem opiniões, críticas, elogios, dúvidas, angústias e quaisquer outros comentários logo abaixo. 😉

MacBook Air

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Especificações do chip M2

Chip M2 abre uma nova geração de possibilidades para Macs

Próximo Artigo

Apple libera Xcode Cloud, Developer Mode e outras APIs para desenvolvedores

Posts Relacionados