O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Apple defende Stage Manager em iPads M1 e promete avanços

Stage Manager no iPadOS 16

O anúncio do Stage Manager por parte da Apple na WWDC22 deixou muitos donos de Macs e (principalmente) de iPads animados. Mas o “muitos” se limitou a um grupo bem pequeno, visto que a empresa logo destacou que o recurso só estará disponível nos tablets com o chip M1.

Publicidade

A Apple logo foi pressionada a explicar o porquê da limitação, tendo destacado que ela se dá — entre outros fatores — pois o recurso de troca (swap) rápida de memória do iPadOS 16 requer o chip projetado para os computadores da Maçã.

Além disso, a empresa explicou que o Stage Manager — por permitir executar até oito apps simultaneamente no iPad e em um monitor externo — precisa de uma grande memória interna, armazenamento muito rápido, entre outros fatores, o que requer iPads com chips M1.

Porém, a polêmica em torno do Stage Manager ainda não é uma página virada para a Maçã, visto que a limitação continua sendo amplamente repercutida pela imprensa especializada — e, automaticamente, também defendida pela empresa.

Uma missão, um escolhido…

O maior porta-voz da Apple nessa missão é Craig Frederighi (vice-presidente sênior de softwares), que concedeu algumas entrevistas ao longo dos últimos dias para enfatizar o motivo de o Stage Manager não poder ser liberado para tablets que não contam com o chip M1.

Publicidade

Questionado pela Forbes, por exemplo, ele elogiou o fato de a Apple ter deixado clara a limitação desde o início, destacando que ela se dá com o objetivo de “manter a capacidade de resposta da experiência” multitarefa no iPad.

Além disso, ele enfatizou que a Apple testou, sim, o Stage Manager em iPads com chips da linha “A” (a mesma presente nos iPhones) e que “ficou evidente no início que não se poderia entregar a experiência que estava sendo projetada [para o recurso] com eles”.

Publicidade

Certamente, adoraríamos levar qualquer nova experiência para todos os dispositivos que pudéssemos, mas também não queremos segurar a definição de uma nova experiência e não criar a melhor base para o futuro nessa experiência. E nós realmente só poderíamos fazer isso construindo no M1.

Apesar das explicações da Apple, a polêmica amplia-se justamente por incoerências como esta, destacada pelo desenvolvedor Steve Troughton-Smith:

Conforme colocado por ele, o iPad Air com M1 obviamente suportará o Stage Manager, mas em sua versão de 64GB não suporta a troca de memória virtual — justamente uma das coisas que a Apple diz ser necessária para o recurso.

Em outra entrevista, essa ao TechCrunch, Federighi destacou que, embora o recurso já tenha sido anunciado pela Apple aparentemente completo, ele continuará avançando e sendo incrementado nas versões beta que antecederão o lançamento do iPadOS 16 para o público geral.

Publicidade

Agora, segundo ele, a Maçã tentará fazer com que os desenvolvedores preparem seus apps para o recurso, mas ao mesmo tempo está dando atenção aos feedbacks e às sugestões que vêm recebendo — e, inclusive, algumas delas serão adotadas em breve.

iPads Pro de 11″ e de 12,9″ iPad Air (5ª geração)

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
TikTok no iPhone com AirPods Pro ao lado

Como revisar os logins feitos na sua conta do TikTok [iPhone e iPad]

Próximo Artigo
Vídeo de suporte da Apple

Em vídeos, Apple ensina a migrar do Windows pro Mac e mais

Posts Relacionados