O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

mundissima / Shutterstock.com
Spyware Pegasus

Spyware Pegasus foi usado por pelo menos 5 países europeus

A União Europeia aparenta estar levando a sério o caso do spyware Pegasus. Há algum tempo, o Parlamento Europeu afirmou que iniciaria um comitê de investigação sobre a questão e assim o fez, tendo publicado recentemente um relatório preliminar do Conselho da Europa.

Publicidade

Durante uma reunião do grupo, o diretor jurídico do NSO Group (dono da ferramenta), Chaim Gelfand, admitiu que a empresa cometeu erros, mas lembrou que diversos contratos deixaram de ser fechados por suspeitas de possível mal uso do Pegasus, como informou o POLITICO. Gelfand adicionou, ainda, que pelo menos cinco Estados-membros da União Europeia fizeram uso do spyware, prometendo dar um número exato no futuro.

Estamos tentando fazer a coisa certa e isso é mais do que outras companhias que trabalham na indústria fazem. Em todo os clientes [governos] para quem vendemos, fazemos investigações antecipadamente para avaliar o estado de direito no país. Mas trabalhar com informações disponíveis publicamente nunca será suficiente.

O eurodeputado e líder independentista catalão Carles Puigdemont, cujo dispositivo foi invadido com uso do Pegasus, defendeu o banimento completo do spyware. Ele citou uma medida dos Estados Unidos que colocou o NSO Group na lista de ameaças à segurança no país para reforçar a gravidade das atividades da companhia.

A sessão do comitê foi tensa, com discussões acaloradas. Vários membros do Parlamento Europeu (MEPs, na sigla em inglês) reclamaram em razão de falta de resposta a perguntas que fizeram. A eurodeputada polonesa Róza Thun, por exemplo, questionou quem estava verificando as condições do estado de direito na Polônia e na Hungria, enquanto o seu colega Bartosz Arłukowicz lembrou da contradição entre não ter acesso aos dados sobre a ferramenta e garantir que não haja abuso no que tange a eles.

Publicidade

O representante do NSO Group disse também que a empresa está ansiosa pela criação de um organismo internacional que regule o uso de spywares. O executivo comparou essa futura legislação ao Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares, de modo que apenas os países que concordem com as regras tenham acesso à tecnologia.

O spyware Pegasus constitui um tema extremamente polêmico, já que o NSO Group não parece ter tantas restrições na prática quanto na retórica. Ativistas, funcionários governamentais de alguns países, um político da oposição polonesa e até mesmo o primeiro-ministro da Espanha Pedro Sánchez já tiveram seus smartphones invadidos pelo Pegasus. As técnicas envolvem até maneiras de invasão sem interação do usuário.

Complicado, hein?

via 9to5Mac

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
WatchTube - YouTube no AppleWatch

Acredite: há um app para assistir ao YouTube no Apple Watch

Próximo Artigo
Sistemas operacionais da Apple em fase de testes (beta)

iOS 16, iPadOS 16, macOS 13, watchOS 9 e tvOS 16 chegam às segundas betas

Posts Relacionados