O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

DANIEL CONSTANTE / Shutterstock.com
Apple TV+, Disney+ e Netflix

Roteiristas pedem garantias da Apple contra leis antiaborto nos EUA

Um grupo de mais de 400 roteiristas e showrunners enviou uma carta a empresas como Netflix, Disney, Amazon e Apple pedindo protocolos específicos para proteger grávidas em estados americanos onde o aborto foi proibido.

Publicidade

Vale lembrar que o histórico julgamento da Suprema Corte do país do caso Roe v. Wade, que assegurava o direito a realizar o procedimento, foi revertido em junho, de forma que a prática foi completamente banida em estados como Geórgia, Louisiana e Texas.

A carta, que teve a assinatura de personalidades como Shonda Rhimes (“Grey’s Anatomy”), Issa Rae (“Insecure”), Amy Sherman-Palladino (“Gilmore Girls”) e Lilly Wachowski (“Matrix”), enfatizou o repúdio pela reversão do Roe v. Wade, bem como a necessidade de as empresas “garantirem que as pessoas empregadas consigam realizar o aborto em estados onde o procedimento ainda é permitido”.

Os signatários solicitaram que as empresas publiquem políticas e procedimentos para prover subsídios às pessoas que necessitem realizar a interrupção da gravidez nos EUA, bem como que o histórico médico seja resguardado. Além disso, pediram que seja deixado claro o escopo dos planos de saúde fornecidos aos empregados pelas empresas.

Publicidade

É requisitado, ainda, que as pessoas sejam resguardadas de possíveis processos contra quem contribua para a realização de abortos. Também se urgiu para que as empresas interrompessem doações contra candidatos e PACs (political action committees, ou comitês de ação política, bastante importantes na política americana) antiaborto.

Foi dado um prazo de dez dias úteis, a partir da publicação do texto, para que as companhias do ramo audiovisual deem respostas por escrito quanto ao demandado. A carta não tratou de consequências caso o pleito não seja atendido, mas os nomes de peso ajudam no sentido de fazer os pedidos serem atendidos.

Vale notar que a Apple, em um memorando interno do ano passado, expressou apoio a funcionárias que necessitassem realizar abortos fora do próprio estado — no caso de este proibir o procedimento. O documento circulou após a aprovação de uma lei antiaborto no Texas, a qual baniu o ato após a detecção do batimento cardíaco fetal. A Netflix também já emitiu opiniões parecidas.

Publicidade

É interessante perceber como as solicitações são feitas às empresas e não a uma autoridade governamental — que originalmente seria o poder competente pela asseguração de direitos dos cidadãos.

Vamos ver quais serão a resposta das gigantes do entretenimento.

via Variety

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
VMware Fusion

VMware Fusion suporta Windows 11 em Macs com Apple Silicon

Próximo Artigo
Apple e Ericsson

Caso Ericsson: Apple tem pedido de indenização negado

Posts Relacionados