Ampligame A8, microfone Fifine

Review: microfone Fifine Ampligame A8

Já foi-se o tempo em que microfones eram utilizados em um sistema robusto, apenas por grandes produtoras ou emissoras de televisão e rádio. A rapidez com que a tecnologia avançou permite que qualquer um, atualmente, consiga realizar gravações satisfatórias com seus celulares e fones de ouvido.

Publicidade

É claro que, mesmo com essa facilidade, há pessoas que precisam (ou querem) algo com uma qualidade maior e gostariam de investir em um bom microfone. Isso se aplica, por exemplo, a streamers, YouTubers, podcasters, músicos que queiram gravar sua voz ou instrumentos, narradores ou até mesmo quem quiser uma boa qualidade em suas reuniões de trabalho.

Por se encaixar em algumas dessas categorias, hoje lhes trago um review do microfone Ampligame A8, da fabricante chinesa Fifine. O dispositivo é famoso por ter uma boa qualidade e preço acessível — e é exatamente o que coloquei à prova.

Unboxing

Como sempre, é claro, tratarei sobre a embalagem e como o produto se apresenta à primeira vista.

Publicidade

Para minha surpresa, a caixa dele veio danificada — muito provavelmente pelas “mãos de seda” que lidam com as entregas nos Correios. Felizmente, o microfone veio totalmente envolto em espuma, o que certamente amenizou qualquer impacto que possa ter ocorrido.

Se considerarmos que o microfone já vem com um shock mount, um pop filter e um stand, a embalagem é bastante compacta. Isso porque ele já vem praticamente montado (microfone com shock mount e stand), apenas com o pop filter, o cabo USB-C para USB-A e um adaptador separados.

O manual é bem explicativo e possui boas ilustrações, mas, por ser plug & play, ele é tão intuitivo que sequer precisei consultar as instruções (apesar de ser sempre bom dar uma olhada, até para conhecer todos os recursos).

Publicidade

Para montá-lo, portanto, basta literalmente só encaixar o pop filter, o cabo e… pronto. O adaptador que veio na embalagem é algo extra e serve para caso você queira encaixá-lo em um stand maior e/ou mais robusto.

Design e construção

O pop filter é de metal, mas a estrutura do microfone e o stand são de plástico; ainda assim, a construção parece ser resistente e de boa qualidade, mesmo sendo de fato leve, com 1kg no total (ainda mais comparando com outros do mercado).

O stand é bem firme — com um peso na base — e permite movimentar o microfone para cima e para baixo, mas a altura não é ajustável. Porém, com o adaptador, é possível trocar por outro stand/braço maior (como fiz e é possível ver nas imagens abaixo).

Em termos de design, o microfone é simples, moderno e traz alguns aspectos gamers, como as luzes RGB — que podem ser desligadas facilmente apenas tocando no botão na parte traseira por alguns segundos.

Publicidade

Por falar em botões, além desse na parte traseira que modifica o esquema de luzes (ou as apaga por completo), o microfone possui um botão sensível ao toque na parte superior para silenciar/habilitar o som e um controlador de volume de ganho. Os únicos conectores nele são uma porta USB-C (para força) e uma saída P2 para fones de ouvido, para acompanhar o som em tempo real.

Acho válido notar que, pelas fotos e imagens que vi antes de receber o produto, achei que o “desenho” (do logo da empresa, o qual se assemelha a um sorriso) presente no pop filter seria bem chamativo. Felizmente, ele é bem discreto e, dependendo do ângulo, sequer consegue ser visto.

Qualidade de áudio

Por ser um microfone USB, não é esperado que ele se comporte com a mesma qualidade e desempenho de microfones profissionais XLR, que podem se conectar a interfaces e ter diversas opções para melhorar seu som. Ainda assim, o resultado foi bem satisfatório.

Para testar a qualidade, apenas conectei o microfone ao Mac e ele já estava pronto para ser utilizado. Usei propositalmente o app Gravador, que é nativo do sistema, e gravei um trecho da biografia de Steve Jobs, escrita por Walter Isaacson, sem qualquer efeito.

Eis o resultado e, então, vou tecer alguns comentários sobre a experiência:

Trecho da biografia de Steve Jobs

Ao gravar, busquei deixar o áudio o mais natural possível, sem nenhum tratamento ou edição posterior — isso para que você tenha uma boa noção do som real dele. Assim, uma vez que você realizar algum tratamento e edição, como amenizar os ruídos, o som pode ficar ainda melhor.

Considerando as condições em que eu estava, o Ampligame A8 demonstrou ter um áudio bastante claro e limpo. Por ser no padrão cardioide, ele capta o áudio primariamente na parte frontal, enquanto supostamente ignora ruídos dos lados e na traseira. Nesse quesito, porém, eu esperava um pouco mais.

Testando todos os lados do microfone, os cliques no mouse e os toques no teclado (sem força)

Comparando-o com o microfone Arcano Black — também USB —, diria que o A8 é muito mais sensível aos ruídos ao redor e poderia ser melhor. Por outro lado, quando colocado lado a lado com o microfone do iPhone e do iPad, ele se saiu muito bem. Os três áudios abaixo foram gravados simultaneamente e estão sem tratamento.

Propositalmente, eu deixei uns segundos antes de começar a falar para vocês perceberem a diferença nos ruídos captados. De fato, o A8 brilhou nesse teste, felizmente.

Ampligame A8
iPhone
iPad

Talvez os ruídos do ambiente não sejam um problema se a intenção é gravar somente a voz de uma pessoa; porém, se a ideia for usar o microfone em uma transmissão ao vivo, por exemplo, os toques do teclado e do mouse podem ser perceptíveis. É claro, outro fator de influência é o ganho, que pode ser ajustado tanto fisicamente, no microfone, quanto em softwares como o Audacity ou mesmo o GarageBand.

Também testei os “sons da vida real” (dos arredores e da vizinhança), que podem surgir enquanto se faz uma conferência, por exemplo, ou uma transmissão ao vivo — e vocês vão perceber o quanto é captado.

Teste na “vida real”, com sons e ruídos externos

Outro aspecto que pode melhorar ainda mais a captação do som, claro, é uma sala tratada acusticamente, para amenizaria os ruídos externos. Eu fiz os testes no apartamento onde moro, então é sempre necessário fechar as portas e janelas para ter um bom resultado, mas não tenho nenhum tratamento acústico.

Por fim, resolvi testar o microfone para captar instrumento e voz para quem quer utilizá-lo para fazer música (e, desde já, peço desculpas, pois não sou cantora). 🤭

No primeiro áudio (aconselho a deixar o volume mais baixo), apenas adicionei uma trilha instrumental e coloquei voz por cima, sem tratamento:

“Oh, Darling!”, The Beatles

No segundo teste, toquei o ukulelê e cantei. É claro, o microfone precisou ficar entre o microfone e minha boca (ou seja, mais longe dela) para captar ambos:

“Don’t Worry, Be Happy”, Bobby McFerrin

Por fim, tentei captar, separadamente o instrumento da voz. Nesse, adicionei ao GarageBand um filtro de violão (“Sharp Chorus”) no ukulelê e o “Tracking Vocal” na voz:

“Dearest”, Buddy Holly

Vale lembrar que não sou nenhuma expert em captação e tratamento de som. Isso quer dizer que, se você tiver o mínimo de noção para aprimorar o som, o A8 certamente pode oferecer resultados ainda melhores.

Recursos e características adicionais

Além da qualidade, o Ampligame A8 possui alguns recursos válidos de serem comentados. O botão para silenciar, por exemplo, pode ser um recurso interessante quando há alguma “emergência” e é necessário desligar o som durante uma conferência ou mesmo transmissão ao vivo — e, como ele é sensível ao toque, ninguém ouvirá um “tick” de botão sendo apertado. Por outro lado, ele é bem sensível e você pode esbarrar e silenciá-lo sem que queira, então é preciso cuidado.

Se você preferir monitorar o que está sendo gravado, pode fazê-lo pelo próprio microfone; basta conectar fones na saída P2 e ajustar o volume — aqui, é preciso cuidado também, já que o volume ajustado é referente ao ganho, não ao retorno nos fones de ouvido (ou seja, o volume configurado vai fazer diferença na sua gravação).

Aconselho, portanto, a deixar sempre nos 50% e ajustar o restante no software de gravação. E, para não dizer que não falei das flores, a posição dele incomodou um pouco; por ser um pouco escondido, não é muito prático.

As luzes RGB também são um show à parte (literalmente ou não). O microfone vem com algumas cores disponíveis, que podem ser estáticas ou podem permanecer trocando de segundo a segundo.

É claro que, para quem simplesmente grava os sons (sem aparecer na tela), as luzes só vão fazer diferença se for algo aprazível para o usuário. Entretanto, como ele é bastante focado em gamers, as transmissões ao vivo de jogos ou mesmo uma gravação de vídeo pode ficar muito mais divertidas com as luzes aparecendo em vídeo. Claro, sempre há a opção de desligá-las, caso queira.

Compatibilidade

De maneira geral, o Ampligame A8 foi feito para ser compatível com diversos tipos de dispositivos e proporcionar rapidez por conta de ser plug & play.

De fato, isso se mostrou verdade: ele funcionou imediatamente no Mac e — veja só você — no iPhone e iPad também. É claro, foi necessário que eu adquirisse um adaptador OTG na AliExpress (R$40) para a conexão ser feita.

Uma vez com o adaptador conectado, os dispositivos reconheceram instantaneamente o microfone e a qualidade ficou exatamente a mesma. Esse é um verdadeiro trunfo para viagens, por exemplo, quando criadores de conteúdo não podem levar grandes parafernálias, mas querem uma boa qualidade de som.

No site do produto, a fabricante afirma que é possível, inclusive, utilizá-lo em consoles PlayStation 4 e 5 — o que, infelizmente, não pude testar.

Conclusão

O microfone Ampligame A8 está disponível nas cores preta, branca e rosa. No site da Fifine, ele custa $47; na Amazon, é possível encontrá-lo por R$310; e no AliExpress, por R$287.

Se analisarmos a qualidade do microfone — tanto no áudio captado quanto na própria construção —, sua facilidade de uso e seu preço, perceberemos que ele tem um ótimo custo-benefício.

Concluo, portanto, que ele vale à pena, principalmente para quem está querendo melhorar a qualidade das suas produções caseiras, mas ainda não tem recursos o suficiente para adquirir as opções mais profissionais e robustas.

Vale lembrar, é claro, que a qualidade do áudio captado pode variar conforme o tratamento acústico (se tiver ou não).

E, se você já tiver esse microfone ou planeja comprá-lo, compartilhe nos comentários sua experiência conosco. 😉

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão de vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Artigo Anterior
UPDF

★ Economize 54% com o editor UPDF e ganhe o aJoysoft Password Remover de graça

Próximo Artigo
Ícone do Gmail

Gmail: como adiar um email [iPhone, iPad e web]

Posts Relacionados