O melhor pedaço da Maçã.
DenPhotos / Shutterstock.com
Shazam

Shazam identifica músicas graças a várias “impressões digitais”

Talvez um dos primeiros aplicativos que ganharam popularidade no início da era dos smartphones foi o Shazam, hoje integrado nativamente ao iOS após ter sido adquirido pela Apple, em 2017. Com um funcionamento simples, o app oferece a possibilidade de algo quase “mágico”: revelar o nome de uma música que está tocando ao analisar apenas alguns segundos dela.

Publicidade

Por trás da “simples” descoberta das informações sobre a música, porém, há um complexo algoritmo, o qual foi detalhado em um vídeo do The Wall Street Journal. Nele, o cofundador do Shazam, Chris Barton, entre outras pessoas, contaram a história da empresa e o funcionamento do software que nos permite a descobrir nomes de músicas tão rápido.

YouTube video

Inicialmente, é interessante perceber que o Shazam em si é anterior ao próprio app. O serviço foi lançado em 2002 e funcionava por meio de uma chamada telefônica: ligava-se para um número, o qual identificava a música e retornava com as informações por SMS1Short message service, ou serviço de mensagens curtas.. Antes disso, músicas de mais de 100 mil CDs foram digitalizadas/compiladas por jovens contratados pela empresa.

Para identificar as canções, o algoritmo do app cria uma “impressão digital” de cada uma, de modo que o áudio das faixas é transformado em um espectrograma, que faz uma espécie de mapeamento das ondas e frequências sonoras da canção. Do mapeamento, os pontos mais importantes são os picos de áudio e, mais especificamente, a ordem deles ao longo da música.

Publicidade

Se fosse para pesquisar apenas por músicas que correspondessem ao mesmo padrão de picos — ou o espectrograma inteiro —, o processo duraria muito tempo e a usabilidade não seria tão boa. O sistema, então, procura na base de dados por múltiplos picos ao mesmo tempo, conectando-os em pares e buscando — nos dados — pares que combinem. Se houver combinações o suficiente, o resultado é dado.

Dessa forma, ao tocar para o Shazam identificar uma música, o sistema capta o áudio pelo microfone do aparelho, limpa o ruído de fundo e transforma o som em um espectrograma. Então, é feito o trabalho envolvendo os picos, até que se encontrem combinações dos pares, tudo isso em questão de segundos. E por mais complexo que seja o procedimento, são mais de 23 mil identificações por minuto.

Apesar dessa grande inventividade por trás do serviço, o cofundador da empresa afirmou que o negócio só passou a ser lucrativo em 2016, passando por períodos bastante difíceis financeiramente. O lançamento do app, em meados de 2008, segundo Barton, foi importante para que uma base de usuários pudesse ser conquistada — até que a empresa foi comprada pela Apple, como já comentamos.

Com a aquisição, o Shazam teve acesso a toda a biblioteca do Apple Music, o que fez com que o algoritmo fosse aprimorado e ficasse ainda mais abrangente. Com a integração ao iOS — por meio do recurso Reconhecimento de Música —, o serviço certamente solidificou a sua popularidade, reforçando-se como algo indispensável para o cotidiano.


Ícone do app Shazam
Shazamde Apple
Compatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com o iMessage
Versão 17.13 (58.2 MB)
Requer o iOS 15.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App StoreCódigo QR Código QR

Ícone do app Shazam: qual é a música
Shazam: qual é a músicade Apple
Compatível com Macs
Versão 2.11 (11.8 MB)
Requer o macOS 10.14 ou superior
GrátisBadge - Baixar na Mac App StoreCódigo QR Código QR

Notas de rodapé

  • 1
    Short message service, ou serviço de mensagens curtas.

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

App Saúde no iPad amplia oportunidades para desenvolvedores, diz executiva da Apple

Próx. Post

Oferta: Apple Watch Ultra com desconto de 32%

Posts Relacionados