O melhor pedaço da Maçã.
FellowNeko / Shutterstock.com
Starlink

De Sul a Norte do Brasil com a Starlink: um teste do plano Viagem atravessando o país

Desde o lançamento da Starlink no Brasil, em 2022 — a internet da SpaceX, empresa de Elon Musk —, eu estava com vontade de testar a nova tecnologia. O preço inicial da antena estava um pouco salgado, mas o que estava alto mesmo (pelo menos para mim) era o valor da taxa mensal do serviço.

Publicidade

Mas eis que, no mês de junho, a empresa resolveu fazer uma redução muito considerável na mensalidade e também oferecer um superdesconto na aquisição da antena, e eu decidi então que era a hora de fazer o tão esperado teste.

Para quem ainda não conhece, o objetivo principal da empresa é fornecer acesso à internet de alta velocidade em áreas remotas e urbanas em todo o mundo por meio de uma constelação de satélites em órbita baixa da Terra (LEO). Ao contrário dos satélites tradicionais de comunicação que operam em órbitas geoestacionárias, os aparelhos da Starlink são posicionados muito mais próximos da Terra, o que permite velocidades de internet mais rápidas e latências reduzidas. A empresa já lançou mais de 4 mil satélites em órbita e possui autorização para lançar outros 7,5 mil equipamentos nos próximos meses.

Starlink

O funcionamento da Starlink baseia-se na implementação de milhares de pequenos satélites em LEO que trabalham em conjunto para formar uma rede. Usuários no solo recebem o sinal de internet usando uma antena parabólica equipada com phased-array. Essa antena é capaz de se comunicar com os satélites em movimento no céu sem a necessidade de mecanismos motorizados. Em vez disso, ela usa a tecnologia eletrônica para direcionar o feixe de comunicação.

Publicidade

Uma das principais vantagens da Starlink é a sua capacidade de fornecer internet em locais onde é difícil ou caro estabelecer infraestrutura terrestre tradicional, como zonas rurais ou regiões montanhosas. Além disso, a latência (ou o tempo de resposta) da Starlink é comparável ao de uma fibra óptica, tornando adequada a utilização em atividades que exijam respostas rápidas (como jogos online ou videoconferência).

A empresa oferece atualmente seis modalidades de serviço:

  • Residencial: utilização fixa em um local.
  • Comercial: uso para empresas.
  • Viagem: pode ser usada em diferentes endereços, permitindo ao usuário levar a antena consigo em viagens.
  • Mobilidade: para ser usada em movimento em veículos automotores.
  • Marítimo: uso em alto mar.
  • Aviação: internet a bordo de aeronaves.

Os planos oferecidos no Brasil atualmente vão de R$180 a R$700 por mês — fora o valor dos impostos. Uma facilidade do serviço é que você pode pausá-lo a qualquer momento pelo app da empresa e retomá-lo quando o uso for conveniente.

O teste

No ano passado, eu adquiri um veículo off road para empreender umas jornadas pelo Brasil e, no último mês de julho, fiz uma viagem de Curitiba a Belém do Pará. Esse percurso configurou-se um cenário perfeito para testar a antena em diferentes locais do Brasil, cobrindo uma longa extensão do país.

Publicidade

Para utilizar a internet no carro, foi necessário comprar um inversor de tensão de 12V para 110V/220V. O aparelho foi ligado à bateria do veículo (como pode ser visto na foto abaixo) para que fosse possível ligar o roteador e a antena.

Starlink

Um item importante a ser observado na compra do inversor é a sua capacidade em watts. Um inversor muito fraco pode não ser capaz de gerar energia para determinados aparelhos. Eu optei por um inversor de 3.000W.

Publicidade

Com a gambiarra bem instalada, eu estava pronto para ligar a Starlink em qualquer lugar. Dividi a análise de utilização do serviço em duas categorias: uso em cidades e em lugares afastados, descritos a seguir.

Uso em cidades

Embora o foco principal SpaceX seja oferecer internet em lugares de difícil acesso, seu uso na cidade pode ser interessante para quem pensa em substituir seu serviço a cabo ou fibra óptica pela antena via satélite. Uma vez que adquiri o plano Viagem, o serviço deveria ser fácil de usar colocado em qualquer lugar, para acesso constante. 

Na categoria cidade, a internet deixou bastante a desejar. O problema é que, ao ser colocado perto de casas ou prédios, o dispositivo tem grandes dificuldades de localizar os satélites para conectar-se à web. Utilizei-o em Curitiba, São Paulo, Campinas, Goiânia, Palmas, Imperatriz e Belém. Em todas essas localidades, por estar próximo a casas ou hotéis, a conexão não foi possível ou ficou muito fraca. Obviamente, se antes fosse colocada no telhado, a conexão seria bastante facilitada, mas não é esse o objetivo de quem compra um plano Viagem.

Starlink

O fato de não poder ser utilizada em ambientes fechados ou de dentro do carro também limita bastante o uso. Embora não esteja disponível no Brasil, o plano Mobilidade pode ser contratado nos Estados Unidos e tem uma antena diferente, que talvez seja mais eficaz em ambientes mais limitados.

A grande conclusão é: se você mora em uma casa ou um prédio na cidade, não será fácil encontrar um local para colocar a antena que permita o acesso aos satélites. Embora o preço seja convidativo, vai ser praticamente impossível substituir o seu serviço via cabo ou fibra óptica pela nova modalidade via satélite.

Uso em lugares remotos

Essa distância de 3.300km percorridos passou por muitas estradas sem qualquer sinal 3G, 4G e muito menos 5G. Aliás, algumas estradas mal têm asfalto, quanto mais antenas. É justamente neste tipo de ambiente que a Starlink dá um show!

Procurei parar em lugares onde não havia o mínimo sinal no celular nas estradas pelos estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins, Maranhão e Pará. Cada vez que parava, o processo era ligar o inversor, conectar o roteador, ligar a antena no roteador e colocá-la em cima do carro. Em menos de 5 minutos, a internet começava a funcionar — a princípio com baixa velocidade, mas em pouco tempo a velocidade ia melhorando gradativamente, à medida que a antena vai se movimentando e buscando o melhor ângulo de conexão, chegando a taxas de 200Mbps de download!

Starlink

Foi possível fazer chamadas de vídeo naturalmente, sem nenhum travamento, baixar arquivos pesados, acessar streaming, entre outras coisas. A qualidade surpreende por ser oferecida em lugares realmente bem afastados. Além da comodidade, esse tipo de serviço pode ser extremamente útil em caso de precisar de socorro e estar em uma área sem nenhum sinal do celular.

Conclusão

Seguindo a Lei de Moore, a tecnologia de conexão à internet via satélite proposta pela SpaceX vem se tornando cada vez mais eficaz e mais barata. Para o seu propósito inicial (oferecer internet em lugares afastados e sem conexão), a Starlink faz um trabalho realmente fantástico! Mas quando se trata da cidade, ainda não vai ser fácil para você trocar seu serviço de banda larga por ela, a menos que tenha a possibilidade de colocar a antena sobre o telhado da sua casa ou do seu prédio.

Quando o plano Mobilidade chegar ao nosso país, possivelmente veremos uma melhora significativa nas maneiras de acesso.

Este serviço é, sem dúvida nenhuma, uma excelente ferramenta para quem adota o modelo de trabalho WFA1Work from anywhere, ou trabalhe de qualquer lugar., possibilitando o acesso ao trabalho de qualquer lugar. O mais interessante é ver o avanço desse produto e serviço que tem um superpotencial para revolucionar a conexão global na web.


Ícone do app Starlink
Starlink de SpaceX
Compatível com iPhones
Versão 2024.06.0 (112.5 MB)
Requer o iOS 14.0 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App Store Código QR Código QR

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão sobre vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Notas de rodapé

  • 1
    Work from anywhere, ou trabalhe de qualquer lugar.

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Vídeo: eis a nova tela bloqueada do macOS Sonoma 14

Próx. Post

Como enviar uma foto em alta resolução pelo WhatsApp [iPhone]

Posts Relacionados