O melhor pedaço da Maçã.

Com grande potencial, “Criminal Record” segue com louvor a tradição das séries policiais britânicas

Para qualquer pessoa que tem alguma afeição às famigeradas séries policiais que surgem aos borbotões nos canais de TV e nas plataformas de streaming, uma impressão já é basicamente unânime: as produções britânicas do gênero são, no geral, muito melhores do que as suas contrapartes estadunidenses.

Publicidade

Há quem diga que a razão para isso é a (quase) completa falta de armas nas narrativas vindas do Reino Unido — afinal, quando seus detetives e agentes da lei não precisam carregar máquinas de matar a todo tempo, tiroteios e confrontos deixam de ser aspectos preponderantes do roteiro, o que deixa mais tempo para uma boa análise psicológica dos personagens e a construção de um mistério mais bem amarrado.

Por outro lado, há quem defenda que a razão por trás dessa diferença está nas próprias fundações da cultura britânica: a inexistência de uma constituição formal, o senso de comunidade mais apurado, a influência incomensurável de Agatha Christie ou até mesmo o simples fato de que as pessoas andam mais a pé nas ruas e, portanto, se encontram mais. Não sei, você que me diz.

A Apple provavelmente sabe disso, considerando que já renovou “Slow Horses”1Sim, sabemos que “Slow Horses” é tecnicamente uma série de espionagem, mas, convenhamos, os dois gêneros estão mais próximos que nunca… para a quinta(!) temporada e, agora, já tem mais uma série policial britânica para chamar de sua no catálogo: “Criminal Record” (ou “Histórico Criminal”, em português), que chegou ao Apple TV+ na última quarta-feira, dia 10/1.

E a notícia boa é que sim, a nova produção da Maçã tem totais condições de manter o status quo e seguir com a tradição britânica de boas séries policiais — ainda que, no geral, a impressão seja mais de potencial hipotético do que propriamente realizado até o momento.

Publicidade

Em termos de história, não espere nada de muito revolucionário aqui: na primeira temporada, somos apresentados à detetive June Lenker (Cush Jumbo, de “The Good Wife” e “The Good Fight”), uma mulher negra que já tem alguma trajetória na polícia mas ainda é considerada uma agente inexperiente por seus pares, e ao inspetor-chefe Daniel Hagerty (Peter Capaldi, o maravilhoso décimo-segundo “Doctor Who”), um homem branco e de caráter dúbio, pronto para resolver seus casos da forma mais simples e rápida possível, ainda que isso signifique deixar algumas pontas soltas pelo caminho.

YouTube video

O ponto inicial da narrativa é uma ligação anônima, recebida por Lenker, a qual indica que um caso fechado por Hagerty mais de uma década atrás pode não ter sido realmente solucionado — e a pessoa (também negra) condenada pelo crime, que está cumprindo uma sentença de 24 anos na cadeia, pode na verdade ser inocente.

Publicidade

O que se segue é um jogo de poderes e interesses que traz, em sua própria natureza, questões de gênero, raça e posição social, em que Hagerty e Lenker alternam posições de parceria e antagonismo. Aqui, um dos maiores méritos do roteiro de Paul Rutman (que também é creditado como criador da série) é fugir do clichê de colocar Lenker como uma detetive novata e inexperiente: sua personagem já é uma policial intermediária nos escalões da corporação e, com isso, consegue ser uma adversária à altura para a figura implacável de Hagerty; ainda assim, ela não está imune às microagressões destinadas à sua própria identidade.

Não há dúvidas de que o grande destaque é a dobradinha de Jumbo e Capaldi, cada um trazendo o que sabe fazer de melhor em seus personagens: ela, com uma figura forte e impositiva, mas que carrega no olhar a insegurança e o trauma de um passado que (ainda?) não é claramente explicado; ele como o personagem de poucas palavras que pode, em questão de um piscar de olhos, tomar a atitude mais imprevisível que se poderia imaginar. “Criminal Record” brilha mais toda vez que coloca os dois atores em cena juntos — brilha, aliás, de tal forma que mal deixa espaço para os coadjuvantes, que acabam não registrando como quase nada além de meros instrumentos do roteiro.

Outro ponto positivo é a direção pouco intrusiva de Jim Loach, que prefere deixar espaço para a história e para as atuações dos dois protagonistas — prova disso são os longos planos fechados no rosto de Lenker, bem como a paciência em deixar que um diálogo percorra todo o seu fluxo natural até se esgotar, em vez de (como temos visto cada vez mais na era do déficit de atenção) simplesmente cortar para a próxima cena quando as informações essenciais já foram proferidas pelos personagens.

Publicidade

Se há algo que talvez deixe a desejar em “Criminal Record”, é justamente o caso que norteia a narrativa: embora seja eficiente para trazer à tona os temas dos quais Rutman deseja tratar, o mistério não é envolvente o bastante para — como outras séries policiais conseguem fazer tão bem — prender o espectador na cadeira e passar os dias se perguntando sobre como solucionar a charada. É bem verdade que, no fim das contas, o caso acaba sendo apenas um pretexto para uma narrativa mais complexa, mas uma produção desse tipo precisa saber fazer o básico antes de querer alçar voos mais ambiciosos.

Isso não quer dizer, claro, que a série falhe no seu propósito. Muito pelo contrário: as bases estão muito bem postas aqui e, numa eventual segunda temporada, a relação entre Lenker e Hagerty poderá ser ainda mais bem destrinchada com um caso mais envolvente. É por isso que, como citei acima, “Criminal Record” é uma série com mais potencial do que entrega — mas, ainda assim, o que ela entrega já é mais do que o suficiente para os fãs do gênero.

O Apple TV+ está disponível no app Apple TV em mais de 100 países e regiões, seja em iPhones, iPads, Apple TVs, Macs, smart TVs ou online — além também estar em aparelhos como Roku, Amazon Fire TV, Chromecast com Google TV, consoles PlayStation e Xbox. O serviço custa R$21,90 por mês, com um período de teste gratuito de sete dias. Por tempo limitado, quem comprar e ativar um novo iPhone, iPad, Apple TV, Mac ou iPod touch ganha três meses de Apple TV+. Ele também faz parte do pacote de assinaturas da empresa, o Apple One.


Ícone do app Apple TV
Apple TVde Apple
Compatível com iPadsCompatível com iPhones Compatível com o Apple Vision Pro
Versão 1.8 (790.5 KB)
Requer o iOS 10.2 ou superior
GrátisBadge - Baixar na App StoreCódigo QR Código QR

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão sobre vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Notas de rodapé

  • 1
    Sim, sabemos que “Slow Horses” é tecnicamente uma série de espionagem, mas, convenhamos, os dois gêneros estão mais próximos que nunca…

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Os 5 artigos mais lidos no MacMagazine: de 7 a 14 de janeiro

Próx. Post

Apple e RCS: como essa adoção poderá mudar o mundo dos mensageiros

Posts Relacionados