O melhor pedaço da Maçã.

Privacidade da Apple Intelligence e de novos recursos são destacadas pela empresa

Ontem, na keynote de abertura da WWDC24, foi finamente apresentada a Apple Intelligence, assim como as novas versões dos sistemas operacionais da Maçã. Ao apresentar as novidades, a companhia fez questão de destacar que segue assegurando a privacidade e a segurança do uso dos SOs, tendo inclusive inovado nesse sentido.

Publicidade

Segundo a empresa, a ideia é que os usuários não precisem escolher entre uma inteligência “poderosa” no seu dia a dia e proteções de privacidade fortes. Craig Federighi, vice-presidente sênior de engenharia de software, disse que a segurança de ponta do iPhone foi estendida para a nuvem, “com o que acreditamos ser a mais avançada arquitetura de segurança já utilizada para inteligência artificial na nuvem em escala”.

Como dito na apresentação, a empresa não armazenará os dados utilizados para responder pedidos feitos à AI, os quais tampouco serão acessíveis a qualquer pessoa. Foi construído um sistema especial — o Private Cloud Compute — para processar requisições mais complexas, o qual poderá ser amplamente verificado por especialistas independentes.

Caso não seja necessário usá-lo, o processamento ocorrerá no próprio dispositivo do usuário, o que é determinado por uma análise da AI. Sendo o caso, são enviados apenas os dados relativos à tarefa a ser processada na nuvem, usados apenas para esse fim.

Publicidade

O servidores que compõem esse sistema contam com chips da própria empresa (Apple Silicon), como havia sido especulado anteriormente, o que inclui a Secure Enclave, componente que protege as chaves de criptografia do servidor. O Secure Boot, por sua vez, garante que o sistema em funcionamento é assinado e verificado, tal como no iOS.

Já o Monitor de Execução de Confiança assegura que apenas códigos assinados e verificados rodem nos servidores, enquanto a atestação permite que os dispositivos dos usuários verifiquem, de forma segura, a identidade e a configuração do Private Cloud Compute antes de enviar um pedido.

Tanto o hardware quanto o software do aparato foram feitos com privacidade em mente, eliminando possíveis pontos mais suscetíveis a ataques e falhas, bem como introspecções excessivas nos usos da AI. Fundações do iOS e do macOS foram adaptadas para suportar inferências de grandes modelos de linguagem (LLMs, na sigla em inglês), tirando proveito também dos recursos de segurança dos sistemas.

A Apple ressaltou, ainda, os desafios de abordagens tradicionais de segurança de nuvem utilizadas nas arquiteturas de IAs complexas até o momento. Eles incluem a dificuldade de verificar e aplicar garantias de privacidade e segurança, bem como de oferecer transparência e respeitar limites fortes ao acesso privilegiado.

Publicidade

Desse modo, a empresa buscou levar o seu modelo de segurança à nuvem, de modo a garantir a privacidade também em tarefas processadas remotamente, além das que o são no próprio dispositivo. Isso inclui computação do tipo stateless, garantias aplicáveis, podendo-se analisar os componentes do sistema e a sua transparência.

Segundo a companhia, não há acesso privilegiado pela Apple ao processar pedidos de IA. Também foi dito que crackers não podem buscar comprometer dados que pertençam a usuários específicos sem que comprometam de forma mais ampla o Private Cloud Compute.

Publicidade

Mais detalhes ainda serão compartilhados, incluindo a implementação do sistema e o comportamento por trás de cada uma das principais exigências. Pesquisadores também serão convidados em breve a conferir o aparato e um ambiente virtual de pesquisa nele.

Recursos dos sistemas

Além dos detalhes relacionados à Apple Intelligence, a privacidade e a segurança dos usuários também motivou a inclusão de novos recursos nas futuras versões dos sistemas da empresa, as quais foram apresentadas ontem. O iOS 18, por exemplo, permitirá bloquear e esconder aplicativos, exigindo a autenticação com biometria ou código para acessá-los.

O sistema também contará com melhorias para as permissões de acesso a contatos, processo de emparelhamento e configuração de acessórios. No primeiro caso, é possível escolher a quais contatos um determinado app pode ter acesso — em vez de conceder a todos —, enquanto, no segundo, os apps não poderão mais ver todos os dispositivos na rede do usuário, mantendo a conexão contínua.

O novo app Senhas (Passwords) também é parte dessas melhorias em privacidade, assim como o redesenho da seção Privacidade e Segurança dos Ajustes. A ideia, segundo a empresa, foi possibilitar que informações importantes sejam vistas com apenas uma olhada, para que os usuários possam entender os níveis de acesso que cada app tem.

Outros recursos são feitos, segundo a Apple, no modelo Privacy by Design. Trata-se de uma espécie de padrão, no qual a privacidade é colocada como prioridade e deve ser garantida no processo de desenvolvimento de software. As funções incluem a categorização no Mail, no Mensagens via satélite e o Presenter Preview do macOS Sequoia 15.

Os sistemas já ganharam as suas primeiras versões beta para desenvolvedores. Elas, porém, ainda não incluem a Apple Intelligence, a qual deverá começar a funcionar até o lançamento das versões finais dos SOs.

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Apple dá mais detalhes do novo CarPlay em sessões na WWDC24

Próx. Post

Apple Intelligence se sai melhor que outros LLMs em benchmarks

Posts Relacionados