O melhor pedaço da Maçã.

Review: 30 dias com o novo iPad Pro (M4)

Mr.Mikla / Shutterstock.com
iPad Pro (M4) com Apple Pencil Pro e Magic Keyboard

Depois de uma decepção com o iPad Pro (com chip M2), mesmo sendo um usuário assíduo do tablet da Apple, resolvi deixá-lo de lado para tarefas menores e trabalhar no Mac. Vendi meu iPad Pro e comprei um iPad Air, que se mostrou completamente suficiente e com um custo bem mais acessível.

Publicidade

Com o anúncio do novo iPad Pro (com chip M4) e suas propostas de mudanças mais robustas — especialmente no teclado, que me incomodava bastante —, decidi dar uma nova chance ao dispositivo.

Um mês após a compra, aqui estão as minhas impressões.

Espessura e peso

Sem dúvida, o destaque do novo iPad Pro é sua espessura. Imediatamente ao pegá-lo, percebe-se a diferença, ainda que numericamente seja mínima. O tablet é mais fino que um iPhone e tem a mesma espessura de um Kindle. Ele também é incrivelmente leve, tornando-o extremamente portátil.

YouTube video

Ao olhar para o dispositivo, surge a grande questão de como a Apple conseguiu fazer um aparelho tão poderoso e tão fino ao mesmo tempo, lembrando os saudosos dias de Jony Ive. Sei que muitas pessoas preferem aparelhos um pouco maiores e com mais recursos, como uma bateria maior, por exemplo. Mas confesso que sou aficionado de dispositivos finos e leves, o que me agradou muito neste item.

Desempenho

Sim, o chip M4 faz muita diferença. Em comparação ao M2, o desempenho é perceptivelmente melhor, o que me faz refletir, como já comentei anteriormente, que a Apple deveria adotar um modelo de atualizações mais espaçadas para oferecer mudanças de maior impacto para seus usuários. Uma das reclamações mais frequentes a cada lançamento da empresa é que as modificações parecem muito simplórias para serem apresentadas como um novo produto.

Publicidade

Se você analisar, por exemplo, a diferença do M2 para o M3 nos Macs, ela é tão ínfima que no lançamento gastaram mais tempo comparando-o ao M1 para mostrar uma diferença realmente relevante. Pular o M3 e seguir direto para o M4 foi uma jogada muito inteligente. Como o M2 do iPad foi alvo de muitas críticas, um M3 pouco diferente iria piorar ainda mais essa percepção.

YouTube video

Para tarefas rápidas e pequenas, como produção de textos, slides e afins, a diferença acaba não sendo muito grande. Mas mesmo essas atividades, quando executadas simultaneamente, são beneficiadas pelo novo chip. Ao trabalhar com aplicativos mais pesados (como Final Cut Pro, iMovie e o pacote Google — um grande vilão de bateria e memória), o processador oferece maior velocidade com eficiência energética

Publicidade

É facilmente possível trabalhar em um ritmo intenso e ainda assim alcançar as 10 horas prometidas de duração da bateria.

Tela

Outra novidade no novo iPad Pro é que o modelo de 11 polegadas, meu preferido em relação ao de 13″ (explico o porquê nesse artigo), agora tem a mesma tecnologia do seu irmão maior: uma tela Ultra Retina XDR com tandem OLED. Pode parecer pouco, mas da última vez quase optei pelo modelo maior só por causa da tela — ainda bem que não fiz isso…

Publicidade

A definição da tela é muito boa e vibrante, o que faz muita diferença — especialmente em uma versão menor. Assistir a um filme em uma viagem de avião, por exemplo, pode ser uma experiência muito mais agradável e interessante. Se você não se importa muito com esse tipo de característica, talvez não sinta diferença, mas eu gostei bastante. Independentemente de gosto e preferência, achei muito positivo a Apple “igualar” os produtos. Para mim, não fazia sentido ter uma diferença de qualidade nos modelos, sendo que a escolha dos consumidores tem a ver com o tamanho e não com o desempenho/a tecnologia.

Um detalhe a mais, que chegou atrasado mas foi muito bem-vindo, é a câmera na lateral horizontal ao invés de na vertical. Quem já fez reuniões nos iPads antigos sabe a luta que era alinhar-se com a câmera, além da impossibilidade de digitar durante a reunião. O iPad de 10ª geração já havia trazido esse novo posicionamento e, finalmente, ele chegou também à versão Pro.

Apple Pencil Pro

Um comentário rápido sobre o novo Apple Pencil Pro: não vale a pena.

Eu já não usava muito a versão anterior mas, testando a nova, as diferenças são praticamente imperceptíveis. Tanto que comprei, testei e devolvi antes de voltar para casa. Fiz vários testes e não vi nenhum recurso a mais que fosse realmente relevante.

Teclado

Estava tudo indo maravilhosamente bem, até chegar a um dos itens mais importantes para o uso do iPad como um computador. Na keynote de lançamento, a Apple anunciou uma série de modificações para tornar o Magic Keyboard muito superior: trackpad maior e mais responsivo, acabamento em alumínio e desempenho superior para acompanhar o novo iPad.

YouTube video

Bem, ao fazer o unboxing, a primeira decepção: o acabamento externo é exatamente o mesmo. Desde o lançamento da primeira versão do Magic Keyboard, venho criticando esse acabamento externo, com um emborrachado feio que raramente envelhece bem, desvalorizando o aparelho. Além disso, ele deforma nas beiradas, deixando-o ainda mais com cara de mal acabado. Um teclado de incríveis US$300, na minha opinião, merecia um acabamento mais charmoso. Como a Apple não está mais trabalhando com couro, poderia ser algo como “couro ecológico”.

Fica pior quando você coloca o teclado no iPad. Ao invés de seguir a linha de espessura reduzida, o teclado é grande, pesado e compensa a espessura do iPad com uma área mais espessa que a anterior, de forma que juntos eles ficam da mesma espessura do conjunto de 2022. Sinceramente, para mim não faz sentido criar um novo iPad ultrafino, destacando essa característica incrível — como anunciado, o dispositivo mais fino que a Apple já produziu —, se o teclado não segue a mesma linha e estraga o avanço do aparelho.

A promessa de que o trackpad maior seria melhor e mais responsivo foi cumprida. Além disso, a tecla esc, que fazia falta na versão anterior, veio bem a calhar e melhorou bastante a usabilidade.

Conclusão

O iPad Pro com chip M4 é incrível em vários aspectos: ultrapotente, extremamente fino e leve, câmera mais bem posicionada e um design revolucionário na combinação desempenho/bateria/portabilidade. Tudo isso, no entanto, é ofuscado por um teclado mal acabado, pesado e grosso.

Se fosse hoje, eu devolveria o teclado (talvez coloque-o à venda) e procuraria uma opção mais interessante entre os paralelos. Talvez, carregar um teclado Bluetooth com um trackpad separado pode ser mais interessante que o teclado do iPad da Maçã.

Quem sabe, em 2026, a Apple olhe com carinho para o Magic Keyboard e faça algo à altura desse novo iPad…


Comprar iPads Pro de Apple Preço à vista: a partir de R$11.069,10
Preço parcelado: a partir de R$12.299,00 em até 12x
Telas: 11 ou 13 polegadas
Cores: prateado ou cinza-espacial
Capacidades: 256GB, 512GB, 1TB ou 2TB
Conectividade: Wi-Fi ou Wi-Fi + Cellular

Comprar Magic Keyboard para iPad Pro de Apple Preço à vista: a partir de R$2.969,10
Preço parcelado: a partir de R$3.299,00 em até 12x
Tamanhos: 11 ou 13 polegadas
Cores: branco ou preto

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão sobre vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Sim, é hora de regular os streamings no Brasil. Mas como isso afetará o Apple TV+?

Próx. Post

Como manter o Spotify aberto para controlar músicas no carro

Posts Relacionados