O melhor pedaço da Maçã.

Apple estaria negociando para colocar modelo de IA da Meta em iPhones [atualizado: ou não]

QubixStudio / Shutterstock.com
Meta AI na tela de um iPhone com Mark Zuckerberg ao fundo

De acordo com uma nova reportagem do The Wall Street Journal, a Apple está discutindo uma possível parceria com a Meta para integrar o modelo de linguagem da empresa ao conjunto de recursos de inteligência artificial (IA) anunciado recentemente pela Maçã — complementar à Apple Intelligence.

Publicidade

Segundo a matéria, assim como deverá acontecer com o ChatGPT, a empresa comandada por Mark Zuckerberg poderá se beneficiar da enorme popularidade dos iPhones para impulsionar seu modelo de IA (chamado Llama)— algo semelhante ao que a App Store proporciona a desenvolvedores de aplicativos.

A Apple, vale recordar, já anunciou que pretende integrar modelos alternativos ao da OpenAI aos seus sistemas operacionais futuramente. Embora o Gemini (do Google) já tenha sido citado, fontes do WSJ afirmaram que, além da Meta, empresas como Anthropic e Perplexity também estariam no radar da Maçã.

A ideia é deixar que os próprios usuários escolham qual o modelo mais adequado para seu uso — algo semelhante ao que acontece com a escolha do buscador padrão no Safari. A Apple não deverá pagar nada a essas empresas, funcionando como uma “vitrine” para que os usuários assinem seus planos premium.

Publicidade

No caso da parceria com a OpenAI, por exemplo, espera-se que os custos da empresa com infraestrutura cresçam de 30% a 40% com a alta demanda, mas por outro lado estima-se que 10% a 20% dos usuários do ChatGPT nos dispositivos da Apple optem por migrar para uma assinatura premium.

Inclusive, essa estratégia poderá fazer com que a Maçã até mesmo ganhe dinheiro com a inclusão desses modelos de IA no dispositivo. “Como faz em sua loja de aplicativos, a fabricante do iPhone manteria uma parte da receita de assinaturas [provenientes] de seus dispositivos”, afirma a reportagem.

Virada de chave na relação entre a Meta e a Apple

No caso da empresa-mãe do Facebook, um possível acordo com a Apple poderá representar uma virada de chave na relação entre as duas empresas — especialmente após sucessivos conflitos de interesse que as colocaram em lados opostos em discussões tecnológicas nos últimos anos.

Publicidade

Um desses conflitos mais recentes foi o lançamento do recurso Transparência no Rastreamento em Apps (App Tracking Transparency, ou ATT) por parte da Apple, o qual pode ter resultado em um prejuízo de até US$13 bilhões ao Facebook apenas em 2022 e teria influenciado até mesmo em um congelamento de contratações na Meta.

Mesmo que as discussões entre a Apple e a Meta envolvendo IA ainda não tenham sido finalizadas e possam até mesmo não vingar, é interessante ver como o boom envolvendo a nova tecnologia está transformando até mesmo relações institucionais entre gigantes da tecnologia.

Atualização, por Luiz Gustavo Ribeiro 24/06/2024 às 20:42

O jornalista Mark Gurman (da Bloomberg) trouxe há pouco informações que rebatem o que foi alegado pelo WSJ. Segundo ele, a Apple rejeitou as propostas da Meta para integrar o chatbot de IA da empresa ao iPhone meses atrás.

Publicidade

Desse modo, as duas empresas *não* estariam discutindo o uso do chatbot Llama — embora tenham sim mantido breves conversas, em março passado, sobre uma parceria que não atingiu nenhum estágio formal, de acordo com Gurman.

Entre os motivos para o acordo não ter avançado, estaria o fato de que a Apple não considera as práticas de privacidade da Meta “suficientemente rigorosas”. A Maçã também vê o ChatGPT como um serviço superior.

O jornalista, porém, corroborou as informações do WSJ com relação à eventual adição do chatbot da Anthropic ao iOS. Quanto à adoção do Gemini, Gurman disse que o Google já é parceiro da Apple (como buscador do Safari), portanto, um futuro acordo com a empresa se basearia nesse mesmo relacionamento.

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Como salvar uma música no Instagram

Próx. Post

Análise preliminar da UE aponta violações da DMA pela Apple

Posts Relacionados