O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Analistas dão suas opiniões sobre os anúncios da keynote de ontem

Convite do evento musical da Apple - 1º de setembro

Convite do evento musical da Apple - 1º de setembroAnalistas de várias empresas divulgaram opiniões diversas acerca dos vários anúncios feitos na keynote de ontem, na qual foram apresentados vários novos produtos: iPods shuffle, nano e touch revisados, a versão 10 do iTunes, acompanhada de uma rede social própria e, claro, o novo Apple TV focado em aluguéis.

Publicidade

  • Shaw Wu, da Kaufman Bros.: não ficou impressionado com o novo Apple TV, considerando-o ainda um rascunho, apontando a falta de apps como causa para o desapontamento — por usar o processador A4 presente em outros gadgets com iOS, porém, Wu acha que deverá ser fácil implementar uma TV App Store no futuro. Ele ainda chamou a rede social Ping de “intrigante” e crê que ela fará sucesso, por tornar mais simples a tarefa de acompanhar artistas — em vez de usar YouTube, MySpace, Facebook e Twitter, todos se concentram apenas na Ping.
  • Gene Munster, da Piper Jaffray: vê o novo set-top box da Maçã como um passo na direção certa, com previsão de 400 mil unidades vendidas neste ano e 1,5 milhão em 2011. Apesar do otimismo, ele nota que o gadget ainda oferece pouco conteúdo. E não foi desta vez que seu sonho se realizou.
  • Yair Reiner, da Oppenheimer: aposta no sucesso do AirPlay como elemento fundamental para o iOS dominar a sala de estar, vendo a integração entre iPhones, iPods touch, iPads e Apple TVs como uma forma de garantir a presença num terreno que pode vir a ser disputado com o Google. Reiner acredita que o iPod touch deixou de ser um mero reprodutor de mídia e jogos para tornar-se uma máquina verdadeiramente social, além de considerar o nano 6G uma das melhores razões para trocar de iPod em anos.
  • Brian Marshall, da Gleacher & Company: ficou um pouco desapontado com a ausência de apps no Apple TV, mas concorda com a Maçã no fato de que o futuro está nos aluguéis, e não na posse. Marshall vê a Ping como um bom catalisador para a compra de conteúdo no ecossistema da Apple e considera os 160 milhões de contas com cartões de crédito associados um bom ponto de partida. O analista aposta ainda que o lançamento internacional do iPhone 4 será o fator mais decisivo para a Apple nos próximos 12 meses e que 70% da renda da Maçã virá das linhas de smartphones e tablets.
  • Charlie Wolf, da Needham Research: acredita que a estrela do evento foi o iPod touch e que o Apple TV, mesmo tendo seu preço drasticamente reduzido, continuará como um produto de nicho. Seu preço-alvo para a AAPL continua sendo US$375, com recomendação de compra.
  • Katy Huberty, da Morgan Stanley: acredita que o Apple TV mais barato e com conteúdo mais acessível poderá finalmente fazer o produto sair da seara dos early adopters e cair no gosto das massas.
  • Mike Abramsky, da RBC: as mudanças do Apple TV deverão estimular vendas a curto prazo, mas o set-top box continuará sendo um hobby, dada a limitação dos conteúdos disponíveis. Apesar disso, pode ser que, com o tempo, o produto cresça em importância, mas a Apple vai precisar primeiro vender muitas unidades para tornar o Apple TV verdadeiramente significativo em sua folha de lucros.

No momento do fechamento deste post, a NASDAQ:AAPL operava em leve alta de 0,26%, sendo cotada a US$250,95 — uma alta acumulada de 3,19%, desde ontem pela manhã.

[via AppleInsider, Fortune Tech]

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Players Sony Walkman no Japão

Vendas do Sony Walkman superam as do iPod temporariamente no Japão

Próximo Artigo

Vídeo: Steve Wozniak comenta novidades de ontem, especial e positivamente a rede social Ping

Posts Relacionados