O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Estréia a segunda fase da campanha da Microsoft: “I’m a PC” (sem Jerry Seinfeld)

Como esperado, foram ao ar hoje nos Estados Unidos três VTs da segunda fase da nova campanha publicitária da Microsoft, intitulados “I’m a PC” (“Eu sou um PC”) — ataque direto à Get a Mac, da Apple — e sem a participação do comediante Jerry Seinfeld. Antes de avaliarmos a qualidade dos mesmos, é impressionante notar o quanto as peças da Apple incomodaram (e continuam incomodando).

Publicidade

Neste primeiro comercial (com duração de 1 minuto), você verá uma série de pessoas — entre desconhecidos e celebridades como Deepak Chopra, Vera Wang, Kevin Spacey, Tony Parker, Eva Longoria e o próprio Bill Gates — apresentando-se como “PCs” e falando sobre suas mais diversas atividades, seguindo a linha da primeira fase de mostrar a vida normal dos seres humanos. Tal como havíamos dito anteriormente, cada um é identificado por um email no domínio @windows.com e o VT começa com um ator que lembra muito John Hodgman, o “PC” da campanha da Maçã.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=kkZdkHylJ3w[/youtube]

Este outro é intitulado “Not Alone” (“Não Sozinhos”) e tem duração de 30 segundos:

Publicidade
[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=MSiSIzXKMXw[/youtube]

Este terceiro brinca com a frase “I don’t wear suit” (“Eu não uso terno”), focando-se em estereótipos:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=VW5V1VW3Pm0[/youtube]

Ambos assinam com o slogan “Life Without Walls” (algo como “Vida Sem Barreiras”) e a marca do Windows.

Ironicamente, o Computerworld reporta que algumas imagens desta campanha liberadas para a imprensa possuem metadados que indicam que elas foram criadas na Adobe Creative Suite 3 para Mac. Mas claro que a Microsoft não tem nada a ver com a marca dos computadores que sua agência prefere.

Confira as peças para mídia impressa:

E aí, será que agora vai? Pra mim, a coisa de fato melhorou. Mas, pelo menos por enquanto, eu não acho que os US$300 milhões valeram a pena. Pode vir muito mais por aí, é claro.

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior

Earthscape: o Google Earth, no seu bolso

Próximo Artigo

Vídeo-aula: como fazer chroma key no Final Cut Pro

Posts Relacionados