O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Sorbis / Shutterstock.com
Logo da H&M em loja

Após boicote, varejista H&M some dos Mapas da Apple na China

As lojas também sumiram dos aplicativos de carona e das lojas virtuais

A situação na província de Xinjiang, no noroeste da China, continua se deteriorando conforme as acusações de perseguição e genocídio do povo uigure vão se amontoando. Hoje mais cedo, falamos sobre a existência de aplicativos utilizados por grupos paramilitares para facilitar o domínio sobre a população local, majoritariamente muçulmana; agora, mais uma notícia envolvendo a Maçã.

Publicidade

De acordo com o Wall Street Journal, todas as mais de 400 lojas da rede varejista sueca de moda H&M foram removidas dos Mapas da Apple e de outros serviços similares disponíveis na China, como o Baidu, além de aplicativos de carona locais. A remoção, acredita-se, está ligada à decisão recente do grupo H&M de interromper a importação de peças e materiais da província de Xinjiang.

As peças da varejista já tinham sido removidas da gigantesca plataforma de comércio digital chinesa Alibaba no início da semana. A hipótese ventilada por especialistas é de que o boicote à H&M está partindo do próprio governo chinês, como uma espécie de represália pelo fim das importações — outras marcas ocidentais, como a Nike e a Adidas, já sofreram ameaça de boicote anteriormente, e o governo dos Estados Unidos proibiu empresas locais de fazer negócios com empresas da região de Xinjiang.

No momento, ao buscar por lojas chinesas da H&M nos Mapas da Apple ou no Baidu Maps, nenhum resultado é encontrado — lojas de empresas concorrentes, como a japonesa Uniqlo, continuam aparecendo normalmente. Curiosamente, os locais da H&M na China continuam aparecendo normalmente no Google Maps, mas não custa lembrar que os serviços do Google são bloqueados em todo o território chinês.

Publicidade

Como a Apple não se pronunciou sobre o caso, ainda não há como saber quem foi o principal agente por trás da remoção. De qualquer forma, a Maçã tem parte na história — se não como produtora, ao menos como conivente.

via The Verge

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Ícones do Google, da Amazon, do Facebook e da Apple em iPhone

Big Tech lidera gastos com lobby, mas Apple não é protagonista

Próximo Artigo
Benjamin Caron, diretor de "Sharper"

Apple TV+: diretor de "The Crown" comandará "Sharper"

Posts Relacionados