O melhor pedaço da Maçã.

Basemark apresenta benchmark de ray tracing e Metal focado em jogos

Breaking Limit, benchmark de ray tracing

A GPUScore, da Basemark, anunciou hoje uma prévia do Breaking Limit, um benchmark de ray tracing. Ele será compatível com diferentes plataformas, incluindo iOS, Android, Windows e Linux — mas não macOS, ao menos por ora. O amplo suporte permitirá uma comparação mais facilitada entre os testes de desempenhos gráficos de dispositivos que rodem sistemas distintos.

Publicidade

Segundo a empresa, o benchmark terá o seu teste de ray tracing mais demandante. Ele incluirá sombras, reflexos e iluminação com a tecnologia, bem como avaliações abrangentes de escalonamento de resolução do tipo FSR2 (da AMD) e DLSS (da NVIDIA), na versão Ultra.

Haverá também um modo dedicado para desktop feito para dispositivos avançados, pensado em tarefas mais extremas. Ainda não foi incluído, contudo, suporte a Intel XeSS e a AMD FSR3, o que poderá ser feito em atualizações futuras.

Os processadores A17 Pro, M3 e M4 são os chips da Apple que têm ray tracing acelerado por hardware. Trata-se de uma tecnologia que permite um desempenho gráfico mais avançado e processamentos mais complexos, principalmente em jogos. Com o benchmark, os dispositivos poderão ter a capacidade posta à prova, havendo compatibilidade com a API 1Application programming interface, ou interface de programação de aplicações. Metal 3, da Apple.

Em qualquer sistema, para realizar um teste com o Breaking Limit, o dispositivo deverá contar com uma GPU 2Graphics processing unit, ou unidade de processamento gráfico. com ray tracing. No PC, serão necessários 6GB de memória e estar rodando o Windows 10 ou posterior, enquanto no Linux serão necessários 8GB e a versão 20 ou mais recente. Em ambos, será preciso ter 2GB de armazenamento livre.

Vale notar que esse não é o primeiro benchmark de ray tracing com suporte a diferentes plataformas. O Solar Bay, da 3DMark, por exemplo, também funciona com a tecnologia, estando disponível no Windows, no Android e no iOS — incluindo a compatibilidade com o Metal.

Publicidade

De todo modo, ter mais uma opção para realizar testes é sempre algo positivo para verificar as capacidades de iPhones, iPads e outros dispositivos.

via Tom’s Hardware

Notas de rodapé

  • 1
    Application programming interface, ou interface de programação de aplicações.
  • 2
    Graphics processing unit, ou unidade de processamento gráfico.

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Snapdragon X Elite não bate nem o chip do iPhone 12 mini em benchmarks [atualizado]

Próx. Post

Promoções na App Store: NotifiNote, LEGO Bricktales, Sticky Notes A Note Taking App e mais!

Posts Relacionados