O melhor pedaço da Maçã.

Executivo da Apple explica “motivo” de iPads não rodarem o macOS

Os novos iPads começaram a ser vendidos hoje — inclusive já fizemos o unboxing dos dois modelos (Air e Pro) — e, como parte da campanha de lançamento, dois executivos da Apple concederam uma entrevista à Fast Company. O vice-presidente sênior de marketing global, Greg Joswiak, e o de engenharia de software, John Ternus, comentaram os novos modelos e a linha em geral.

Publicidade

Entre as falas, chamou a atenção algo que Joz afirmou: a maioria dos usuários de Macs também tem iPads e utiliza ambos, assim como uma “grande proporção” dos donos de iPads tem Macs e, alguns, computadores com Windows. Ele destacou, ainda, que se trata de ferramentas diferentes, usadas quando faz mais sentido, a depender do caso.

O executivo revelou essa prevalência como forma de defender a ideia de que Macs não competem com iPads, que há espaço para ambos e que os dispositivos seriam complementares. Até então, só era sabido que os tablets eram mais vendidos que os computares da empresa, mas não que havia essa “sinergia” entre quem adquire os dois produtos — algo raramente divulgado.

Entre alguns comentários sobre os novos iPads Pro, algumas pessoas vêm defendendo que o dispositivo passasse a rodar o macOS (ao menos em alguns momentos) e/ou adotasse um sistema de duplo boot, com a opção de escolher entre o iPadOS e o sistema dos Macs. A queixa de que o software dos iPads não estaria acompanhando os avanços em hardware já é antiga, em especial ao pensar em um uso mais profissional.

Publicidade

Contudo, até mesmo o ex-presidente da Microsoft, Steven Sinofsky, criticou essa ideia, lembrando que o macOS foi concebido de forma bastante diferente do iPad, não sendo afeito à interação por meio de toques. Na entrevista, Ternus rejeitou que o iPad Pro seria menos do que “Pro”, um termo que, para ele, não seria definido pelo Mac. Caso os tablets passassem a rodar o macOS, vale notar, certamente haveria um impacto nas vendas dos computadores.

Sobre os novos iPads

Os executivos também ressaltaram os avanços dos novos modelos, como display, desempenho e espessura diminuta sem comprometer os recursos. Ternus disse, ainda, que eles sempre pensaram no iPad como uma “folha mágica de vidro que permite que você interaja diretamente com o seu conteúdo”.

Joswiak, porém, ressaltou que hesita chamar os iPads de tablets, já que “tablets são uma porcaria e iPads, não”. Apesar disso, ele reconheceu que a linha de iPads ficou um pouco bagunçada com o tempo e que consertar o problema era um dos objetivos dos anúncios da semana passada. Com as novidades, a “história” da linha e dos Apple Pencils foi simplificada (ou nem tanto), tornando tudo “mais limpo”.

Publicidade

Ternus comentou também a mudança da posição da câmera frontal dos iPads para a borda mais larga (horizontal), motivada pelo fato de os dispositivos serem predominante usados no modo paisagem hoje em dia. Essa diferença motivou o desenvolvimento de uma nova arquitetura para o carregador magnético dos lápis da empresa, que fica nas laterais dos dispositivos e tem agora menos da metade do tamanho do original.

Os dois trataram, ainda, de inteligência artificial. A partir dos diversos recursos, apps e elementos dos sistemas da empresa que usam IA, Joz afirmou pensar que “viemos sendo os líderes nessa área por um bom tempo”. Alguns apontam, porém, que a Apple estaria buscando fazer frente a concorrentes mais avançados no campo, como a OpenAI, com diversos rumores sobre novos recursos com IA dos próximos sistemas da Maçã.

O executivo ressaltou que a IA está no centro dos recursos proativos da Siri que foram introduzidos em 2015.

Publicidade

Acho que crédito [por avanços em IA pouco destacados] talvez seja a palavra errada. Mas talvez apenas estejamos dando aos consumidores o conforto de “não se preocupem, nós sabemos o que estamos fazendo aqui”.

Joswiak lembrou, ainda, que a empresa vem desenvolvendo processadores neurais desde antes a indústria de PCs “saber como dizer ‘neural'”: “E, agora, eles estão construindo unidades de processamento neural, esperando talvez chegar a 60%, nos próximos anos, de PCs que eles vendem sendo PCs de IA… todos esses iPads que estamos lançando com o Apple Silicon avançado são PCs de IA bastante capazes”.

Os comentários são bastante interessantes, considerando a expectativa em torno de um foco em IA nos próximos sistemas da empresa, bem como esse enfoque dado no contexto do lançamento do chip M4 — os próprios iPads já foram pensados para serem capazes de funcionar com os recursos avançados de IA que poderão ser lançados com os novos sistemas.


Comprar iPads Pro de Apple Preço à vista: a partir de R$11.069,10
Preço parcelado: a partir de R$12.299,00 em até 12x
Telas: 11 ou 13 polegadas
Cores: prateado ou cinza-espacial
Capacidades: 256GB, 512GB, 1TB ou 2TB
Conectividade: Wi-Fi ou Wi-Fi + Cellular

Comprar iPads Air de Apple Preço à vista: a partir de R$6.299,10
Preço parcelado: a partir de R$6.999,00 em até 12x
Telas: 11 ou 13 polegadas
Cores: cinza-espacial, azul, roxo ou estelar
Capacidades: 128GB, 256GB, 512GB ou 1TB
Conectividade: Wi-Fi ou Wi-Fi + Cellular

NOTA DE TRANSPARÊNCIA: O MacMagazine recebe uma pequena comissão sobre vendas concluídas por meio de links deste post, mas você, como consumidor, não paga nada mais pelos produtos comprando pelos nossos links de afiliado.

Ver comentários do post

Compartilhe este artigo
URL compartilhável
Post Ant.

Vídeo: unboxing do iPad Pro de 13 polegadas com chip M4!

Próx. Post

RetroArch, emulador de vários jogos retrô, é disponibilizado para iOS e tvOS [atualizado]

Posts Relacionados