O melhor pedaço da Maçã.
MM News

Receba os nossos principais artigos diariamente, por email.

Liderança do movimento “Direito ao Reparo” comenta novo programa da Apple

O mundo da tecnologia foi pego de surpresa nesta semana após a Apple anunciar a criação de um programa de reparos independentes para os seus produtos, o Self Service Repair. A notícia alcançou grande repercussão entre membros do movimento Direito ao Reparo (Right to Repair), que vêm pressionando a Maçã e outras companhias a darem mais liberdade para usuários na hora reparar seus dispositivos.

Publicidade

Ontem, a firma de reparos iFixit, grande defensora do movimento, reagiu de forma positiva ao anúncio, parabenizando a Apple pela decisão. A empresa, no entanto, não economizou palavras ao fazer uma série de questionamentos sobre como o programa funcionará, adotando uma postura cética em relação ao serviço.

Agora, outra grande personalidade do movimento a opinar sobre assunto foi o engenheiro Louis Rossmann, que já prestou diversos testemunhos ao Congresso dos EUA em apoio a legislações nesse sentido. Assim como o iFixit, Rossmann assumiu uma postura desconfiada e se mostrou preocupado com a possibilidade de o programa sofrer com os mesmos problemas do Independent Repair Provider — que é focado em firmas de reparo independentes.

Segundo o engenheiro, o IRP sofre com dois problemas principais: a escassez de peças (limitadas a itens mais “comuns” como telas, baterias e câmeras) e a demora na entrega desses componentes. De acordo com ele, essas limitações inviabilizam reparos mais complexos e fazem com que as firmas percam seus clientes pela demora provocada pelos longos períodos de entrega.

Publicidade

Rossmann ressaltou que, apesar de considerar o Self Service Repair um avanço, só dará o devido crédito à Apple caso ela resolva esses problemas com o novo programa.

Façam isso direito e poderemos começar do zero, deixando o passado no passado, e eu lhe darei todo o crédito do mundo. Sem nenhum ressentimento. Eu estou falando sério. […] Se eles fizerem isso direito, comprarei e usarei um MacBook como meu computador diário.

Outro questionamento levantado pelo engenheiro foi se a Apple fornecerá peças específicas para reparo em vez de componentes completos, como vender apenas o painel de LED de uma tela de um MacBook em vez do display inteiro, por exemplo — algo que seria consideravelmente mais caro.

O Self Service Repair será lançado em 2022, segundo Apple, primeiramente apenas nos Estados Unidos. Apesar dessa exclusividade inicial, a empresa prometeu expandir o programa para mais países ainda no ano que vem, cobrindo, inicialmente, reparos de iPhones das linhas 12 e 13 e, futuramente, Macs com chips M1.

via The Loop

Ver comentários do post

Carregando os comentários…
Artigo Anterior
Apple Park

Apple marca retorno aos escritórios para fevereiro de 2022

Próximo Artigo
Jonah Hill, Jerry Garcia e Martin Scorsese

Apple TV+: Martin Scorsese fará filme sobre o Grateful Dead; Jonah Hill estrelará

Posts Relacionados